.

Photobucket
"A vida tem caminhos estranhos, tortuosos às vezes difíceis: um simples gesto involuntário pode desencadear todo um processo. Sim, existir é incompreensível e excitante..." (Caio F. Abreu)

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Tudo junto e misturado (7)


Boa noite pessoas ! Como abaixo comentei, tirei um pouco o atraso nas postagens. Tem a mensagem espiritual para hoje (mais abaixo), o post dos "Malas", criado pela Cris, um carinho recebido (selinho da Sheila)) e esta. E estou aqui para falar de "Emoções". Péra, não é a imortal letra e música de Bob Charles (para nós, íntimos do Rei Roberto Carlos), né não. Falo das emoções diárias, daquelas que sentimos já ao amanhecer, ou mesmo antes dele. Como observar o nascer do dia num ponto qualquer de ônibus, num frio de menos dois graus (que fazem o nariz e os dedos da mão enregelarem). É uma emoção ímpar, pois percebemos que outro dia ganha "forma", e nunca sabemos dos acontecimentos que ele trará para nossas vidas. É sempre uma incógnita...

É a emoção de rever um amigo de anos, casualmente, no mesmo busão que tomamos ou, nas calçadas e ruas de nossa cidade. É receber um abraço fraterno de alguém quase desconhecido e, ao calor daquele corpo, sentir o coração se apaziguar por alguns momentos. É ver brilho nos olhos de uma criança quando vê seu pedido atendido pelos pais e, aquelas mãozinhas ansiosas e pequenas enroscarem-se em pescoços e colos num agradecimento sincero. É, até mesmo, assistir ao capítulo da novela Morde e Assopra de hoje, e "sentir" a dor de pais ao perderem sua filha no parto...só que neste caso, uma vida física se "foi", deixando outra para cumprir sua história imortal... 

Todos somos emotivos, de alguma forma. Mesmo aqueles que se escondem atrás de uma "armadura" fictícia, possuem sentimentos que vez ou outra eclodem, quer seja em forma de lágrimas ou voz embargada, ou ainda através da raiva e dos palavrões...Espíritos em evolução que somos, não devemos "guardar em armários poeirentos" qualquer resquício de mágoa ou ódio, nem mesmo deixar de extravasar a alegria que porventura sintamos...não ! Emoções, são para serem vividas e sentidas, e expressadas, a qualquer tempo, fazendo com que o cotidiano se torne mais leve e sigamos por esta estrada tão longa que é a vida terrena, que não permite atalhos desnecessários...hum rum !

Abençoada seja nossa sexta-feira ! Um abraço fraterno a todos ! Inté mais...

Carinho recebido


Este selinho eu ganhei de minha amiga SHEILA, do blog : http://passarinhosnotelhado.blogspot.com. Obrigado pelo carinho e a lembrança Sheila. Deus te abençoe, um beijo carinhoso !

O post dos malas...hehehe

Boa tarde pessoas. Desde domingo não postava nada aqui...humpft ! Correria que só, e um frio de doer nos ossos que faz com que a única e verdadeira vontade seja enfiar-se embaixo de cobertores quentinhos...hum rum ! Mas, hoje, de folga, resolvi dar o ar de minha graça e postar algumas coisas. Entre elas, este texto divertidíssimo de minha querida amiga e conterrânea CRIS, do blog CaFoFo. Se você, como eu (e ela inclusive...ei, palavras dela e não minhas, hehehe) se sentir incluso na lista, assuma, não tem problema algum, não deixaremos de ser amigos(as) por isso...hahahahaha ! Uma linda tarde à todos ! O título do post é "Reconhecendo-se", que a Cris (re)escreveu em 28.05.2011.
(maneiras de reconhecer se você é um blogueiro "Mala")

  1. Usa música no blog com início automático, e se alguém reclamar diz ´o blog é meu, faço o que eu quiser.` Você é um mala.
  2. Seu blog é praticamente só de selos e brincadeiras blogueiras, repassa e ainda fica cobrando para o blogueiro fazer / receber. Você é um mala.
  3. Só faz comentário quando é recíproco a cada postagem, caso contrário, esqueça! Seu babacão, mala.
  4. Ou fica cobrando comentário. Você é mesmo um mala, afe.
  5. Faz do seu blog um diário, posta todo dia… sem chance, mais um mala.
  6. Desconhece o Copyscape (entre outros) e sente-se no direito de plagiar sem mencionar autoria e acha que todo mundo tá acreditando no circo. Bingo! Esse é mala mesmo.
  7. Faz de cada postagem um livro, ou seja, um texto enooooooorme, achando que só tem você na internet, em meio à tantas informações. Você é um mala.
  8. Acredita ser o Bambambam do reino blogueiro, mal vai nos outros blogues, quanto mais comentar. Só fica esperando ser visitado, e quando resolve fazer um comentário, são de duas palavras. Você é mala, talvez o mais comum deles.
  9. Você diz que o blog é ´muito bom`, não lê nada, e quando volta é sempre com o mesmo tipo de comentário, só mesmo para garantir a popularidade. Você sabe ser mala.
  10. Enche os comentários de frases bonitas para encher linguiça naquele post em tom deprimido. Você é mala também, nem vá pensando que não.
  11. Acha que comentário rebuscado de palavras acadêmicas vai te livrar de ser um mala. Vai ser mala assim…
  12. É enigmático, escreve misteriosamente, onde só você e Deus entendem o contexto, e quer que o coitado do leitor comente alguma coisa. Seu mala!
  13. Ou só faz poesias no mesmo tom incompreensível… ou mora em outro país e escreve só em outro idioma pensando que todo mundo tem que saber. Nuussa, que mala!
  14. Enche o blog de ferramentas saltitantes que travam o Firefox, e ainda faz postagens perguntando pra galera o por quê está tendo problemas com o andamento normal do seu blog… nossa, mas tu é mala, pelamordideus.
  15. Escolhe layout com fundo escuro e bota a letra bem branca, ou outra cor qualquer que chega a arder o zóim. Putz, lamento, mas você é mala também.
  16. Não tira a “verificação de palavras” dos comentários. Outro mala.
  17. Diz que não vai te seguir (na ferramenta seguidores) “publicamente” porque já teve problemas em se expôr… esse é um mala sem alça.

A finalidade do existir...

Os desentendimentos e contendas são comuns nos relacionamentos humanos. Eles se fazem presentes nas famílias, nas empresas, nas escolas e onde quer que se reúnam pessoas.

Velhos vícios humanos os alimentam e perpetuam. O egoísmo dificulta a percepção das necessidades alheias. O orgulho faz com que a própria personalidade tenha superlativa importância. Nessa disputa de egos, busca-se mais vencer do que convencer. Na equipe profissional, almeja-se posição de destaque, para mais e melhor ganhar. Nesse intuito, muitas vezes se sacrificam a lealdade e a amizade.

No âmbito familiar, para não assumir encargos, chega-se a lançar mão de argumentos desonestos e de chantagens. Em tal contexto infeliz, as batalhas se sucedem, mas a guerra nunca termina. Sorrisos e afagos dissimulam mágoas e revolta. Talvez alguém seja aparentemente o vitorioso, mas a perda coletiva é manifesta.

Ocorre que a vida a tudo modifica, em sua pujança. O que hoje é importante, amanhã pode nada mais significar. Ao final de todos os embates e discussões, resta conviver com a própria consciência. Mais cedo ou mais tarde, sempre se é chamado a refletir a respeito do que se fez. Isso pode se dar pela ocorrência de uma enfermidade, do desemprego ou de uma tragédia qualquer. Ou então apenas no ocaso da vida, quando todas as ilusões se diluem.

Para quem nunca recuou, nunca contemporizou ou pacificou, esse momento pode ser bem difícil. Para não se arrepender mais tarde, convém refletir sobre a finalidade do existir desde já...hum rum !

(Com base na mensagem "a Razão do Chamado" - Momento Espírita)

domingo, 26 de junho de 2011

A Balsa (parte 2)

Boa tarde pessoas ! Tá um domingo cinzento, frio e chuvoso cá na terrinha. Humpft ! Bom para relaxar, repor as energias da semana que foi corridíssima, ler um pouco (estou lendo Água para Elefantes, de Sara Gruen...depois assisto o filme), e dormir, muitoooooo, pois amanhã acordo os galos novamente. Nos intervalos, visitar os blog's amigos e postar também. Abaixo (post anterior), uma reflexão sobre episódio verídico, do encalhe de uma fragata francesa no ano de 1816.

Baseada nessa "passagem da História" a equipe do Momento Espírita complementou :

A balsa é como o planeta Terra. Os tripulantes são a Humanidade e as atitudes que cada um toma diante da vida. Podemos ser como os desesperançados, quando atravessamos situações difíceis e nos decidimos a simplesmente nos entregar sem luta alguma.

Podemos estar enquadrados entre aqueles que acreditam que não há solução e, assim, também não há porque se esforçar para melhorar o estado de coisas. Podemos também ser dos que duvidamos de tudo e todos. Ou, finalmente, podemos ser aqueles que mantemos a esperança acima de tudo. Os que nos esforçamos para chegar à vitória, embora ela pareça estar muito, muito distante.

Afinal, decidir pela vitória em toda circunstância que a vida nos coloca é atitude de esperança...hum rum...

Uma tarde de muita paz e serenidade para todos nós, e uma semana abençoada !

A Balsa...

Na história da Humanidade encontramos acontecimentos que nos levam a profundas reflexões...

Em 1816, uma fragata francesa encalhou próximo à costa do Marrocos. Não havia número suficiente de botes salva-vidas. Os restos do navio foram a única balsa que manteve vivas 149 pessoas. A tempestade os arrastou ao mar aberto por mais de 27 dias sem rumo.

A dramática experiência dos sobreviventes impressionou a um artista. Theodoro Gericault realizou um estudo substancial dos detalhes para produzir a pintura. Ele entrevistou os sobreviventes, os enfermos e, inclusive, viu os mortos. Horrorizado, reproduziu a íntima realidade humana nesta situação. Seu quadro, intitulado “A balsa de Medusa”, retrata não somente o naufrágio do navio “A Medusa”, ocorrido no dia 2 de julho de 1816. Retrata um acontecimento que comoveu a França e trouxe repercussões que tocaram o mais profundo da alma humana.

Na pintura, pode-se ver as diferentes atitudes humanas que se manifestam nos momentos cruciais da vida. Alguns dos sobreviventes se apresentam deitados, em total abandono, sem reação alguma. Parecem simplesmente aguardar a morte inevitável. Outros se mostram desesperançados, alheios aos demais. O olhar distante, perdido no vazio demonstra que perderam a vontade de viver e de lutar.

Um punhado deles, no entanto, mantém a esperança acima de tudo. Tiram do corpo as próprias camisas e as agitam com violência, fixando um ponto no horizonte, como se desejassem ser vistos por alguma embarcação, por alguém. O curioso, entretanto, é que embora eles balancem com constância as vestes brancas ao vento, não há nenhum navio à vista. Nada que indique que eles serão resgatados...

sábado, 25 de junho de 2011

A dádiva de VIVER...

Quanta vida há no chão...

Minúsculos seres caminhando na terra, na grama...A formiga na sua luta diária pela sobrevivência...A aranha, a tecer sua teia caprichosamente e tantas coisas para ver, ouvir, sentir, cheirar, para fazer você sentir-se vivo.

Observar a natureza é pequeno exercício diário que fará você relaxar, esquecer por instantes as provas, ora rudes, ora amenas, que a vida nos impõe. Somos caminhantes da estrada da reencarnação somando, a cada dia, virtudes às nossas vidas ainda medíocres mas que se tornarão luminosas e brilhantes.

Aprenda a dar valor à dádiva da vida. Isso fará o seu dia se tornar mais leve e, em silêncio, sem palavras, sem pensamentos de revolta, você terá tido um momento de louvor a Deus. Aprenda a silenciar o íntimo agitado e a beneficiar-se das belezas do mundo que Deus lhe oferece. 

A sabedoria hindu aprecia, na natureza, o que Deus desejou para ela: que fosse aliada do homem no seu progresso, oferecendo o alimento, dando-lhe os meios de defender-se das intempéries. E, sobretudo, sendo o seu colírio diário suavizando as aflições da vida.
            
Pense nisso, e aprenda a dar graças pela dádiva de viver...hum rum !

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Amar é o grande desafio

Não há como negar ser o amor a realidade mais pujante da vida. Irradia-se de Deus e vitaliza o Universo, mantendo as leis que produzem o equilíbrio. Todos os homens e mulheres que edificaram os ideais da felicidade humana fundamentaram o seu pensamento no amor pleno e incondicional. Transcendendo definições, o amor é vida exuberante. É a razão básica da manifestação do ser que pensa e sente.

Jesus sintetizou todo o código da Sua Doutrina no amor a Deus, ao próximo e a si mesmo. Assim, o amor deve ser causa, meio e fim para o comportamento humano feliz, que desperta com anseios de plenitude.

Amar é o grande desafio...

(trecho do livro Despertar para a Vida - Joanna de Angelis)

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Deserto Florido (2)

Boa noite pessoas ! Esta mensagem complementa a postagem anterior (abaixo), e nos leva à uma reflexão profunda sobre o nosso "florescer" enquanto espíritos em contínua evolução e aprendizado. Uma abençoada noite para todos nós, e bom feriado !
**********************************************************************
O ser humano também é capaz de florescer, mesmo após  anos de estiagem íntima. As sementes do potencial evolutivo jazem dormentes, mas vivas, no âmago da alma. Almas secas, almas aparentemente sem esperança de flor, virão a desabrochar um dia, quando a chuva do entendimento, a chuva da renovação, as fizer despertar. Não há caso perdido para o Criador.

Mesmo os Espíritos mais relutantes, que na agonia e tristeza profundas, ousam fazer frente ao bem, negando o Criador e o amor; mesmo esses, irão germinar. Chegará o tempo em que perceberão que o mal, a revolta, a vingança não lhes traz felicidade alguma. Chegará o tempo em que, regados pelas chuvas contínuas do amor dos que estão ao seu lado render-se-ão ao bem renovador.

Cada um tem seu tempo. Cada um desperta quando está preparado para despertar.

Porém, recordemos que as sementes ocultas estão lá, aguardando ansiosamente o momento de sair da terra árida, aguardando o instante de respirar o ar puro de uma nova vida. Todos temos jeito. Todos somos deuses potenciais. Deus nos fez todos assim, sem exceção. Quem escolhe o momento de desabrochar somos nós.

Chegará o tempo em que veremos o deserto do planeta Terra, ainda tão sofrido, tão seco, florescente por completo. Seremos nós, Espíritos bons, que modificaremos a paisagem deste planeta, passando a chamá-lo de terra florida...

( Momento Espírita )

Deserto Florido...

O deserto do Atacama, no Chile, é o mais árido e alto do mundo. É também o lugar na Terra que passou mais tempo sem chuvas, sendo registrados quatrocentos anos sem uma gota d´água do céu. Atualmente, ele pode ficar anos e mais anos sem qualquer precipitação atmosférica, porém, de tempos em tempos, um fenômeno muito interessante acontece.

O milagre da floração do deserto é possível de se ver muito raramente, pois depende necessariamente da chuva caída nos meses do verão. Suficientes quantidades de água permitem que as sementes, que estavam adormecidas no seco deserto, possam despertar para voltar à vida e florescer por um curto espaço de tempo, na primavera.

São mais de duzentos tipos de flores. Cores mil. Um desabrochar belíssimo e inesperado em meio a terras tão áridas. Quando o deserto revive e floresce surge uma panorâmica maravilhosa. É a oportunidade de desfrutar a singeleza das flores que cobrem as planícies e gloriosamente contrastam com as montanhas que as rodeiam.

Só é possível desfrutar deste milagre do deserto em alguns anos e por pouco tempo, desde fins de agosto até o meio de outubro. As sementes, que ficam adormecidas por muitos anos, estão especialmente adaptadas para essas condições extremas, e assim podem voltar à vida pelas chuvas que as acordam, convertendo o deserto numa pintura multicor.

Os chilenos conhecem esse fenômeno como deserto florido...

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Flor de Estufa

É natural o desejo de viver em paz e ser feliz. Todos almejam levar a vida sem maiores percalços e desafios. Entretanto, a realidade é bem diversa. Qualquer que seja o contexto econômico ou social em que a criatura se apresente, ela enfrenta alguns problemas. Esse fenômeno precisa ser entendido em sua justa configuração.

O instinto de conservação, inerente aos seres vivos, indica-lhes que devem buscar preservar-se ao máximo. Trata-se de um recurso providencial, para que bem aproveitem a experiência terrena. Caso não se cuidem como podem e devem, correm o risco de perecer antes do tempo. Com isso, deixam de aprender a lição do momento em sua integralidade.

Ocorre que o aprendizado e o aprimoramento são a finalidade do existir. O Espírito não renasce para se recrear, mas para se melhorar. Assim, a condição de flor de estufa não lhe assenta. Se fosse para permanecer em doce repouso, não necessitaria de um corpo físico. As injunções materiais tornam necessárias certas atividades que viabilizam o progresso. Porque precisa se manter, o homem disciplina-se a trabalhar.

Como os postos de trabalho são disputados, ele se habitua a estudar e a se aperfeiçoar constantemente. Para se manter no emprego, precisa respeitar inúmeras regras. Com isso, gradualmente incorpora em seu ser diversas virtudes. Disciplina, polidez, humildade e todos os valores e talentos humanos não são presentes, mas conquistas. Em sentido geral, as exigências ordinariamente se apresentam.

Algumas crises sempre precisam ser vividas e superadas. Nesse contexto de desenvolvimento amplo e constante, dificuldades não são tragédias. Elas representam uma lição preciosa. Todo Espírito possui um destino glorioso. Nele dormem os princípios das virtudes angélicas. Constitui uma tola ingenuidade achar que se transitará pela vida ao abrigo de preocupações.

Os problemas que surgem não são injustiças e nem perseguições. Seu sereno enfrentamento, em contexto de dignidade, é o próprio objetivo da existência. O homem não pode ser uma flor de estufa, delicada e de pouco perfume. Seu destino é se assemelhar a uma árvore frondosa, de madeira perfumada, cheia de frutos e flores.

Integralmente útil, qualquer que seja o contexto. Na pobreza, pleno de dignidade e com muito amor ao trabalho. Na abastança, modesto e disposto a partilhar e a se fazer instrumento do progresso.

Assim, não se ressinta dos desafios que se apresentam em sua vida. Entenda-os como testes cuja solução exige apenas disciplina e serenidade...hum rum !

(Momento Espírita)

domingo, 19 de junho de 2011

Tudo junto e misturado (6)

Boa noite pessoas ! Em primeiro lugar, as primeiras coisas...uai ! Justificando andar meio afastado do Blog, quase sem inspiração para escrever ou enviar as mensagens espirituais. É o trabalho, que tem, além de me tomado tempo (inclusive em fins de semana), me cansado bastante. Ontem mesmo comentei com um colega de trabalho concorrente que gostaria de voltar no tempo uns 20 anos pelo menos, aí as coisas seriam diferentes. É dureza admitir que, apesar da boa (força) de vontade e fé, não tenho mais o ímpeto e a força necessária para acompanhar o ritmo alucinante do mercado em que exerço minha profissão. Mas...vamos lá...

Então, segundamente, peço desculpas se não retribuir com merecidas visitas e comentários à quem segue este cantinho. Ao menos por uns dias, até a poeira abaixar. Todo início de trabalho é difícil. O tempo em Curitiba não anda ajudando também...ao pegar o busão pela madrugada, lembro de Méry (minha amiga Maria que reside em Londres)...pq enfrento um verdadeiro "fog" Londrino...não se enxerga um palmo diante do nariz....hehehe ! Além do friooooooooooo...que deu uma trégua ontem e hoje, mas parece que volta logo...

Nem avisei aos blog's amigos do selinho da postagem anterior. Ainda bem que a turminha acompanha o Irmão e já está retirando o mimo oferecido pela Cris. Não tenho encontrado tempo nem para dar atenção aos meus amigos e amigas. É quando repasso mentalmente um passado não muito distante quando fui "cobrador" de atenção de algumas pessoas. Achava injustificável que elas não dessem os ares de sua graça ao menos para um "Olá" ! Hoje percebo que isso é naturalíssimo. Chego em casa e, após o banho para relaxar, o que desejo é CAMA ! Certamente seria o parceiro ideal para qualquer mulher atualmente....hum rum ! O "bom de cama"...hahahahaha ! Que coisa...adelante, que atrás vem gente galopante...

Deixei de fazer promessas...hum rum ! Não sei se as poderei cumprir, nem que seja uma "combinação" para papinho no messenger ou twitter, ou coisa do gênero virtual. Mas não esqueço de colocar meus afetos nas orações diárias, nem de desejar-lhes de coração muitas felicidades no cotidiano. Espero que esta fase passe logo, porquê ainda tenho muito que contar e devanear...me aguardem...humpft !

Um beijo carinhoso para minhas meninas: Marília, Cris, Márcinha, Elisabete, Elaine e Ana ! Para Dinoráh, Néia, Cris, Nádia, Ana Roos, Verinha e tantas outras, um recado : não deixo de visitar seus espaços nem um dia que seja...um abração e um beijo carinhoso para vocês também. Desejo a todos nós um fim de domingo em paz, e uma semana abençoada ! Inté mais...


Ps: A imagem do post retrata SÍSIFO (Mitologia Grega), que por toda a eternidade  foi condenado (por Zeus) a rolar uma grande pedra de mármore com suas mãos até o cume de uma montanha, sendo que toda vez que ele estava quase alcançando o topo, a pedra rolava novamente montanha abaixo até o ponto de partida por meio de uma força irresistível. Por esse motivo, a tarefa que envolve esforços inúteis passou a ser chamada "Trabalho de Sísifo".

sábado, 18 de junho de 2011

Selo de Ouro...


Fui presenteado com este Selo de Ouro por minha amiga e conterrânea CRIS, do Cris Style, e também do CaFoFo online@. Obrigado amiga, um beijão carinhoso ! A regrinha é indicar 8 blog's para receber o mimo (que já está também na barra lateral esquerda de meu cantinho)...humpft ! Esse trem de indicar, sei lá...mas tudo bem...vamos que vamos :

1 - Mônica, do blog Coração nos Dedos
2 - Cris Lira, do blog Passos Silenciosos
3 - Verinha, do blog Pensamentos e Sentimentos
4 - Marília Felix, do blog Meus Devaneios
5 - Dinorah, do blog Dinorah com agá no fim
6 - Néia Lambert, do blog Eterno
7 - Elaine Freitas, do blog Iluminar Sempre
8 - Márcinha Mendonça, do blog Coisas de Amor

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Nossa Terra...

O nosso planeta é um grande campo experimental, onde cada espírito que aqui vive tem por dever o aprimoramento de si mesmo e o compromisso de socorrer o seu semelhante. Mas é também um local de muita beleza. A divindade se esmerou em cuidados para nos permitir gozar alegrias. Basta que olhemos e descobriremos as explosões de flores nos jardins, bosques e pradarias.

O tapete verde do pasto abundante se estendendo por montanhas, em tons que vão do claro ao escuro, como uma enorme colcha de retalhos estendida sobre a Terra. O vento que nos acaricia os cabelos é aquele mesmo colaborador na reprodução das espécies floridas, carregando o pólen em seus braços, espalhando-o pelas campinas. Vento amigo que dedilha sinfonias nas cabeleiras das árvores para que possamos ouvir a voz da natureza.

É neste planeta abençoado que sentimos a garoa nos molhando o rosto. Observamos as chuvas fortes, os relâmpagos que traçam desenhos luminosos nos céus escuros. É aqui que, nas noites quentes, o pirilampo fica piscando e de dia o Sol se apresenta com todo seu vigor. É aqui que o filete d'agua pura desce a montanha e o mar se mostra exuberante. É na Terra que encontramos as borboletas coloridas dançando no ar e os pássaros cantantes que enchem os nossos ouvidos de sons. A erva rasteira e a árvore gigantesca, que desafia os séculos.

Tudo nos fala do amor de Deus em todos os setores da vida no mundo. Nosso mundo é uma sublimada escola. Busquemos assimilar as mais importantes lições que nos farão alcançar o esperado progresso. 

Não o condenemos. Nem nos entristeçamos. Consideremos todas as possibilidades de beleza e som que o planeta nos concede a fim de que nos renovemos e nos iluminemos. Valorizemos nosso mundo e cuidemos de tudo que nos rodeia: animais, vegetais e nossos irmãos em humanidade...hum rum !

(Momento Espírita)

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Tudo junto e misturado (5)

Boa noite pessoas ! Hoje assisti à duas cenas que me chocaram...não deveriam me chocar mais. No mundo em que vivemos parece que isso tornou-se rotina, banalizaram-se determinadas situações de falta de educação e excesso de "castigos". A gente vê todo dia na TV, ouve nos noticiários e nos ônibus e, até aqui na internet, são comuns as reportagens. 

Uma delas, dentro de um Hipermercado de Curitiba, de uma mãe "arrastando" literalmente seu filho que teimava em pedir determinado produto e, ela, aos gritos, bradava que não iria comprar. Diante da teimosia do pequeno, agarrou em seu bracinho e fez com que ele se transformasse num "carrinho" de compras de feira, corredores afora...humpft ! A outra, de uma jovem no ponto de ônibus (eu estava no mesmo). Chegou uma Senhorinha e colocou-se à frente da referida rapariga. Ela, ato contínuo, mandou : "Você" vai passar na minha frente ? Mas não vai mesmo...porquê não fica em casa ao invés de perambular pelas ruas ?...humpft's duplos...

Nem preciso dizer do desconcerto da pobre Senhora, aliás em seu direito. Fui em seu "socorro" e pedi um pouco mais de educação para a gaja pois, um dia, ela também terá a mesma idade e certamente gostará de usar de alguns "privilégios" que nossos idosos detêm...ela, pelo menos, calou-se. Melhor, já que não ando de astral muito bom para determinadas coisas e tipo de pessoas (éka)...

Lembrei então de um texto que li ontem no Momento Espírita, do qual extraí o trecho abaixo: 
**********************************************************************
Quem planta sorrisos e gentileza recebe alegria e gratidão, e vê muitas portas da vida se abrindo naturalmente, através da força estupenda da bondade. O bem é muito mais forte que o mal. O bem responde com muito mais rapidez e segurança às tantas e tantas questões que a existência nos apresenta, na forma de desafios.

Ser gentil, ser cordial é receber a vida e as pessoas de braços abertos, sem medo de agir no bem. Ser bem educado é contribuir com a semeadura do amor na face da Terra, substituindo, gradualmente, tantas ervas daninhas que ainda existem nesses campos, por flores e mais flores de felicidade. Ser fraterno, em todas as ocasiões, é vestir-se com este que é um dos mais belos trajes da alma: a educação.

Um magnífico fim de dia para todos nós e uma abençoada quinta-feira !

terça-feira, 14 de junho de 2011

Convite à reflexão...

A transitoriedade da vida terrena é um convite à reflexão. Os homens em geral se empenham para atingir variados objetivos. Elegem metas por vezes ambiciosas e dedicam suas vidas a conquistá-las. Também fazem de tudo para ver seus filhos vitoriosos, conforme os padrões do mundo. Pagam-lhes bons colégios, cuidam de sua instrução formal com desvelo. Esses objetivos costumam ser louváveis.

Como vivem em um mundo material, os homens precisam se ocupar das coisas tangíveis. Não dá para se tornar um peso nos ombros do semelhante, enquanto se filosofa sobre tudo e sobre nada. Apenas não é prudente esquecer que as questões materiais fatalmente passarão. No esforço de conquistar ou manter coisas, não compensa comprometer a própria dignidade. Às vezes parece que certa conquista é questão de vida ou morte.

Se dado cargo não for conquistado, a vida parecerá sem sentido. Entretanto, a permanência nesse cargo será por pouco tempo, considerando a eternidade da vida que jamais se esgota. Do mesmo modo, a paixão pode colorir de modo excepcional o afeto que alguém inspira. Ainda que ele seja comprometido, parece que tudo se justifica, desde que seja possível viver aquele sonho dourado. Nessas situações, a criatura pode se permitir comportamentos indignos.

Ocorre que a felicidade jamais é fruto de indignidade. A paixão violenta cedo ou tarde amainará. O cargo importante mudará de mãos. O dinheiro será consumido, perdido, roubado ou apenas deixado para trás no momento da morte. O automóvel novo se desgastará e sairá de linha. Em suma, tudo passa e lentamente perde a importância. Mas é preciso conviver para sempre com o que se é. A realidade íntima não se altera com o simples passar do tempo. Ela não se desgasta, não se torna obsoleta e nem se recicla, sem vontade e esforço.

Muitos Espíritos, pelo fenômeno mediúnico, relatam sua decepção após a morte física. Tiveram de contemplar suas posses e conquistas materiais passarem a outras mãos. Ao mesmo tempo, constataram a miséria a que se reduziram, à custa de atos indignos. Renasceram para evoluir e transcender e se tornaram grandes devedores perante a vida. Pense nisso, para não inverter suas prioridades.

Viva no mundo, mas não se torne escravo dele. Antes de mais nada, cuide de adquirir grandeza íntima. Seja bondoso, leal e trabalhador, mesmo nos momentos difíceis. De nada lhe adiantará conquistar coisas e perder-se a si próprio...

(Momento Espírita)

domingo, 12 de junho de 2011

Enamorar-se, sempre...


Boa tarde pessoas ! Espero que o dia esteja sendo de alegrias e muito AMOR para todos. Engraçado como precisamos de "um dia" para lembrarmos/marcarmos uma data especial né ? São 364 outras vinte e quatro horas para acarinharmos e presentearmos um filho, a nossa mãe, nosso pai, etc...creio que, tipo assim, desnecessário que o carinho viesse em forma de presente físico. Um abraço bem apertado, um dizer "eu te amo", um afago nos cabelos brancos, um passeio no parque ou ao cinema, bastariam. Todos os dias ou não, mas que tivessem a intensidade suficiente para manter acesa a chama do amor por algum tempo. Claro que presentes são fundamentais : aquele perfume gostoso que depois será usado em ocasiões especiais, a lembrar de quando foi ofertado embrulhadinho, bem bonitinho; aquela peça de roupa que será usada em um jantar romântico, uma viagem dos sonhos ou, simplesmente, quando sentirmos necessidade de ficarmos mais "bonitos".

E hoje, 12 de junho, é o Dia dos Namorados ! Ah ! Que maravilha. A cidade estava enfeitada de corações há dias. Ofertas para todos os lados...promoções em Restaurantes, Hoteis/Motéis, Hipermercados...um ar de felicidade no ar e, claro, o bom povo cá da Terra Brasilis, deixando para a última hora a compra daquela lembrança aí em cima citada...eitcha ! Algumas coisas não mudam mesmo...

O que mudam, atualmente, são os namorados/casais...hum rum ! Fiz uma pequena lista em minha cachola de amigos e conhecidos que ano passado estavam com determinada pessoa. Este ano, quase a totalidade está com outra "metade" nova...hum rum ! Experiência ? Claro ! Não deu certo, bem que tentaram. Mas aí, fico analisando as relações atuais, as tais "ficadas". Caráca, é muito experimento para meu gosto. Ultrapassado ? Pode ser. Mas ainda acho que uma relação é construída não numa noite (ou várias vezes na mesma noite) e, sim, com o passar dos dias, meses, anos...é quando as arestas estão sendo aparadas, as dúvidas esclarecidas, os medos e segredos desvendados. Só se conhece a "alma" de alguém, quando deixamos que a nossa própria permita-se moldar. Senão, não há relação que aguente.

Há que se ter paciência e zelo, abnegação e solidariedade. Há que se sentir aquele friozinho na barriga diariamente, quando o parceiro chega ao portão do prédio ou da casa, mesmo após longo tempo de namoro. Pode ser que a tua "cara" não seja a mais bonita naquele momento. No dia anterior, uma rusguinha enjoada fez com que ele(a) fosse embora aborrecido. Mas, havendo amor de verdade, tudo será esclarecido e a paixão renovada. É meu entendimento...

E aí vão me perguntar: e tu ? E eu responderei : Até tu Brutus ? hehehe ! Cadê a namorada ? Sente-se idoso demais para namorar ainda ? E olha que não escrevi "velho", porquê como diria meu avô Ricardo, velho é aquilo que não presta mais, precisa ser trocado. Posso passar mais um Dia dos Namorados sozinho, posso. Estou enamorado pela vida, pelo meu trabalho, pelos meus amigos (reais ou virtuais). Há muito amor em mim, e uma vontade crescente de que ele seja espalhado por aí. Estou enamorado sempre, há anos, pelas melhores recordações que um homem pode ter de uma mulher. O coração nunca está vazio. E aí está a resposta ao "X" da questão : um coração cheio, é um coração enamorado. Isso posto, neste dia, também estou comemorando junto com muitos de vocês que daqui a pouco estarão almoçando com seus pares, ou mais tarde jantando, ou trocando presentes...o meu, é saber que estou aqui, inteiro, escrevendo esses devaneios e deixando que o amor de muitos preencha a "ausência" física de uma namorada.

Física, eu disse, porquanto espiritualmente, eu a possuo...Tenhamos todos um domingo abençoado, e uma semana serena e feliz !

sábado, 11 de junho de 2011

Solidão virtual...

Boa noite pessoas ! A semana foi corrida, cansativa e geladaaaaaaaaaaaaaaaa ! Hum rum...Amanhã é dia dos namorados, e prometo vir com um texto meu, sei que estou devendo. Mas hoje, como "prenúncio" do post de amanhã, um texto do Momento Espírita para nossa reflexão. Tem tudo a ver...Um fim de sábado abençoado para todos ! Inté...


Houve um tempo onde só podíamos conversar com alguém se estivéssemos fisicamente próximos. Nessa época, havia uma única possibilidade de se iniciar um relacionamento, de se aumentar a rede de amigos, de se fazer contatos profissionais ou sociais: promover encontros, marcar locais, horários para se reunir, para se conhecer. E se não estivéssemos com alguém, se não houvesse com quem se encontrar, o resultado, muito frequentemente, era a solidão.

O sentir-se sozinho não era, muitas vezes, uma opção, mas uma contingência, fosse por se residir em um local afastado, ou por se ter pouca ou nenhuma opção de um relacionamento familiar ou social. Porém, desde os fins do século XX, a tecnologia vem transformando nossas relações sociais. Avançando em uma velocidade difícil de acompanhar, vem nos disponibilizando recursos fascinantes.

Desde então, ela quebrou a necessidade de estarmos fisicamente juntos para conversarmos, para ampliar a amizade, para trocar emoções. Passamos a ter a possibilidade de conversar, trocar mensagens, vídeos, fotos, não importando o local, o horário, a distância, conectando-nos todos a tudo. Passamos a resgatar amizades que se perderam no tempo, a reencontrar familiares que a distância afastou e refazer relacionamentos que se perderam pelos caminhos. E ainda, são inúmeros os sites de relacionamento que permitem, não só o reencontro, mas o fazer novas amizades, iniciar novos amores, outros colegas.

Agregamo-nos virtualmente pelo estilo de vida, pelos valores, pelas atividades de lazer, pelo gosto musical. Passamos a ter centenas ou até milhares de amigos que se agregam às nossas redes de relacionamento, que nos seguem virtualmente. Passamos a estar cercados, envolvidos com muitas pessoas, o tempo todo. Poderia se pensar que jamais alguém, agregado nessa rede virtual, poderia se queixar de solidão. Somos tantos, vinculados a tantos outros, que já não haveria espaço para a solidão.

Porém, a alma humana ainda é a mesma. E a tecnologia que nos cerca externamente, nada preenche intimamente. Somos inúmeros os agregados aos sites e às redes de relacionamento, contudo, tão poucos aqueles que cultivamos afeições que nos preencham as necessidades íntimas. Passamos a viver e conviver com a solidão virtual. Essa dos que tanto têm virtualmente, mas nada se preocupam em cultivar realmente.

A solidão somente desaparece quando passa a ser substituída pela preocupação com o próximo, pela dedicação ao semelhante, pelo importar-se com o outro. Assim, não será a tecnologia que nos afastará da solidão. Ela ainda se faz presente, em nosso existir, porque não vivenciamos os valores da solidariedade, da compaixão, da fraternidade. 

E, por mais que a tecnologia se desenvolva, por mais recursos nos ofereça, jamais eliminará a solidão de dentro de nós. Poderá, sim, agregar milhares de nomes em nossas redes de relacionamento. Porém, para preencher as necessidades de nosso coração, para que nele não haja mais espaço para a solidão, necessitamos cultivar a fraternidade, que pode até se iniciar no mundo virtual, mas terá que inevitavelmente, migrar para a realidade das ações de nosso coração...

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Lágrimas...palavras da alma...

Tanto a dor emocional quanto a dor física nos chegam sem pedir licença, ocupando espaço considerável em nossa alma e em nosso corpo. Lágrimas são derramadas pela dor da partida de um ente querido, pela dor da ausência e da saudade, pela dor do erro cometido e do arrependimento. Ao constatarmos a dor do próximo, lágrimas jorram de nossos olhos. Deparamo-nos com tantas carências, tantas necessidades não atendidas, enfermidades, privações e abandono.

Cada lágrima derramada tem seu significado. Seja ela vertida pela dor ou pela alegria, nos diz que somos seres movidos pela emoção, capazes de exteriorizar os nossos sentimentos. Demonstra que nos sensibilizamos em momentos simples e efêmeros, indicando que estamos sintonizados com o que há de belo na vida.

E, quando as lágrimas derramadas forem de dor, façamos com que o motivo que nos comove seja também o mesmo motivo que nos move. Que o movimento seja no sentido da modificação íntima. Que seja impulso para olhar a vida sobre um novo ângulo, para trabalhar em nós mesmos a resignação, a paciência, a esperança, a fé e a confiança em Deus...

(Momento Espírita) 

Meme literário...

A minha conterrânea CRIS, do CaFoFo on line@, porém atráves do outro blog dela o http://cris-stylle.blogspot.com, indicou o Irmão das Estrelas para responder a algumas questões que versam sobre livros preferidos...gostei de um termo que ela usou para se referir ao gosto de alguém pela leitura : "livrófilo"...hehehe

Já fui livrófilo...houve época (acho que já comentei aqui) em que lia um livro a cada 3, 4 dias...era incrível...aos poucos a visão foi ficando mais fraca, o tempo escasso, e hoje não leio tanto assim...mas ainda adoroooooo !

Em 29 de abril passado, aqui mesmo, respondi a esse Meme para o qual fui indicado pela menina Marilia Felix...então, foi só copiar...hehehehe !
 
Meme Literário
1. Existe um livro que leria e releria várias vezes?
 Já li e reli várias vezes o Pequeno Príncipe e, toda vez que chego na "parte" que a raposa diz para o Princepezinho , " tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas", paro a leitura para refletir...Ah ! Nunca fui nem pretendo ser "Miss"...hehehehehe

2. Existe algum livro que começou a ler, parou, recomeçou, tentou e nunca conseguiu ler até ao fim?
Não, todos os livros que comecei, terminei...sem exceções !
 
3. Se escolhesse um livro para ler para o resto da tua vida, qual seria ele?
O Evangelho Segundo o Espiritismo que, nas palavras dos guias de Kardec, “... o edifício começa a libertar-se dos andaimes, e já podemos ver-lhe a cúpula a desenhar-se no horizonte”.Leitura obrigatória para entendermos a Doutrina Espírita.

4. Que livro gostaria de ter lido, mas que, por algum motivo, nunca leu?
Não existe nenhum livro que eu tenha "pousado" os olhos, ou visto uma crítica, que não tenha lido.

5. Que livro leu e nunca esqueceu a  'cena final' ?
Incidente em Antares, de Érico Veríssimo. Após a "saga" de Antares e seus mortos-vivos, ao final o autor descreve uma cidade próspera, com novas indústrias, serviços públicos melhores. Um funcionário público está levando o filho ( de 7 anos) para a escola e, este (filho), estanca diante de um muro onde alguém havia começado a escrever...Li-ber... o pai, angustiado puxa o filho pelas mãos e segue em frente...
 
6. Tinha o hábito de ler quando era criança? Se lia, qual era o tipo de leitura?
Li muito, desde pequeno. Toda obra do imortal Monteiro Lobato, todos os livros da Coleção Saraiva (na época uns 120 mais ou menos), de autores renomados e Brasileiros, a coleção de Julio Verne, etc...

7. Qual o livro que achou 'chato' mas ainda assim leu até ao fim? Por quê?
Como citei na pergunta de número quatro, todos os livros que li foram : ou recomendados, ou coloquei os olhos em cima e achei (pela síntese em capa ou contra-capa) interessante, ou li alguma crítica a respeito. Então, não achei chato nenhum deles.

8. Indica alguns dos teus livros preferidos.
O Pequeno Príncipe
Os miseráveis 
A Insustentável Leveza do Ser
A Profecia Celestina
Cem Anos de Solidão
Incidente em Antares
A Cidade do Sol
A Cabana

e por aí vai...são tantos...

9. Que livro está lendo neste momento?
As Memórias do Livro, de Geraldine Brooks ( sobre um manuscrito de Sarajevo)

10. Indica dez amigos para o Meme Literário.
Não costumo mais indicar blog's parceiros/amigos. O meme está disponível para quem quiser responder.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Reconciliação...

 Há uma interessante passagem evangélica na qual Jesus recomenda que o homem se reconcilie o mais depressa possível com seu adversário. A reconciliação deve se processar enquanto ambos estão a caminho, para que um não entregue o outro ao juiz. Porque o juiz poderá entregar o culpado ao Ministro da Justiça, que o colocará na prisão. Se isso ocorrer, as celas não se abrirão enquanto não for pago o último ceitil.

Trata-se de imagens fortes, que chamam a atenção para a importância da convivência equilibrada. A vida na Terra é uma fecunda e importante escola. Espíritos de personalidades e valores diversos são colocados lado a lado. O resultado deve ser o aprendizado e o crescimento de todos os envolvidos. A convivência nem sempre é fácil. Na vida social, costumam surgir desacertos. As ideias e os objetivos costumam ser diferentes, mesmo entre pessoas de boa vontade.

Comumente se afirma que a convivência entre certos indivíduos é difícil por serem inimigos espirituais. Nessa linha, teriam um passado de erros em comum, a justificar a animosidade presente. Essa hipótese por vezes é verdadeira. Entretanto, em geral os desentendimentos de hoje decorrem mais de imperfeições e vícios do que de real inimizade pretérita. Vaidade, orgulho e egoísmo respondem pela ampla maioria das querelas do mundo.

Não importa o passado, seres generosos e humildes sempre encontram um modo de conviver de forma respeitosa e pacífica. O problema não reside no ontem, mas no hoje que pode se desdobrar no amanhã. Importa adotar comportamento digno e fraterno, para seguir livre. A Lei Divina é perfeita e cuida de todos. Ela jamais é burlada, mesmo no mais ínfimo ceitil. Mas é programada para o progresso e a felicidade dos seres, não para punir e infelicitar. Daí vem a magna importância da exortação de Jesus. Seres imperfeitos erram e se atritam.

Dos embates e dos pontos de vista divergentes, o progresso pode surgir. Contudo, limites se fazem necessários nesse processo de divergência. A vida precisa ser levada de modo que o coração não se replete de mágoas. Está-se em uma escola, não em uma batalha campal. Os outros são irmãos, companheiros de jornada, embora por vezes pensem e ajam de modo diverso. Acima de qualquer coisa, é preciso manter-se digno e fraterno.

Quando o semelhante erra, perdoá-lo de coração, sem impor condições humilhantes. Quando se erra, arrepender-se, pedir desculpas, reparar e seguir adiante. Só não convém esperar a incidência da lei, por entre mágoas e vaidades. Porque é aí que surgem as grandes dores, destinadas a dulcificar o coração que se fez orgulhoso e ressentido...humrum...

Pense nisso...!

(Momento Espírita)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...